Com chuva de cartões, São Paulo vence Santa Cruz e fica com a vaga

Quatro jogadores foram expulsos – Lucas entre eles – e Ceni perdeu um pênalti. Time paulista enfrenta agora o Goiás nas oitavas de final do torneio

O São Paulo chegou a deixar a torcida apreensiva, ainda mais após Rogério Ceni perder um pênalti. Mas conseguiu vencer o Santa Cruz por 2 a 0 na noite desta quarta-feira, na Arena Barueri, e garantir a vaga nas oitavas de final da Copa do Brasil. Agora enfrentará o Goiás, que eliminou a Ponte Preta. Em um jogo marcado pelas faltas duras e pela chuva de cartões – onze amarelos e quatro vermelhos -, o visitante foi forte e lutou muito, mas não conseguiu segurar o anfitrião, que jogou a maior parte do duelo com um a mais. Mais dois do Santa foram expulsos quase no fim da partida. Um deles era Everton Sena, a sombra de Lucas, que também foi para o chuveiro mais cedo, com os olhos cheios de lágrimas e bastante chateado por ter se desentendido com seu marcador.

André Oliveira foi o destaque negativo para o time pernambucano por fazer a falta que originou o primeiro gol tricolor e cometer também um pênalti. Só que esta última oportunidade Ceni desperdiçou com uma cavadinha mal calculada.

Cambalhota e cavadinha frustrada

Assim como no Recife, o primeiro tempo do jogo na Arena Barueri já começou quente. Juan arriscou de longe e fez Tiago Cardoso se esticar todo, logo aos dois minutos. Everton Sena, que não deu mole para Lucas na primeira partida, começou a cumprir o que prometeu assim que o apito soou. Como um carrapato, colou no meia são-paulino.

Melhor para os outros jogadores do time paulista, que encontravam espaços. Mas o adversário abusava das faltas duras. André Oliveira acertou Fernandinho. E Dagoberto cobrou a falta de frente para o gol, mas bem longe, quase no círculo central. O atacante levantou com precisão e colocou a bola na cabeça de Rhodolfo, aos nove minutos. O zagueiro desviou para a rede e deu sua tradicional cambalhota no ar na comemoração: 1 a 0 para o São Paulo e festa grande na Arena Barueri (assista ao gol no vídeo acima).

O anfitrião queria mais tranquilidade. Levar a decisão para os pênaltis não era o plano. Aos 14, Lucas conseguiu escapar por segundos de Sena e driblou a defesa na área, mas acabou desarmado. Fernandinho não aguentou aquela pancada da falta que originou o gol, e precisou deixar o jogo aos 16 minutos, bastante frustrado. Marlos entrou.

A pressão era toda do São Paulo. Dagoberto, Juan, Rhodolfo e Lucas tiveram chances de marcar. O Santa Cruz estava gostando do empate e da decisão nas penalidades, tanto que só se preocupava em impedir os lances de ataque do time paulista. E Everton Sena seguia grudado em Lucas: acompanhou o meia até na hora de beber água…

A dupla também protagonizou um lance violento. Everton dividiu de forma dura a bola com Lucas, e acabou acertando o tornozelo direito do meia, que precisou ser atendido fora de campo. Mas o árbitro não viu falta no lance.

André Oliveira, que tinha feito a falta do primeiro gol do São Paulo, apareceu de forma negativa mais uma vez aos 41 minutos, ao esticar o braço e impedir a trajetória de Dagoberto para o gol: pênalti e cartão vermelho para ele. Na cobrança, Rogério Ceni decidiu tentar uma cavadinha e permitiu que Tiago Cardoso tivesse tempo de voltar e tirar a bola (assista ao vídeo). Decepção do torcedor são-paulino no estádio. O camisa 1, dono de cem gols, ainda foi xingado por Jeovânio quando voltava para o gol. E o São Paulo perdeu a oportunidade de ir para o intervalo com tranquilidade.

Chuva de cartões e desentendimento da dupla Everton Sena e Lucas

Com um a mais, mas um pouco desanimado por ter perdido a chance de ampliar o placar, o São Paulo voltou para o segundo tempo com a missão de fazer o segundo gol e garantir a vaga para as oitavas. E pressionou muito o Santa Cruz, que seguia se segurando como podia e abusando das faltas. Everton Sena, a sombra de Lucas, também levou um cartão amarelo por uma jogada mais dura.

Mas só dava São Paulo na área do Santa. Carpegiani colocou Ilsinho no lugar de Casemiro, com o objetivo de provocar mais descidas pela lateral direita. O jogador até que conseguiu algumas jogadas de linha de fundo, mas sem sucesso. Se a conclusão era ruim, era preciso um homem de área. E o comandante resolveu tentar com o garoto Willian José. Sobrou para Alex Silva, que foi sacrificado para a entrada do atacante.

A aposta deu certo. Aos 27, Ilsinho passou por dois marcadores e tabelou com Willian José. O menino devolveu para o lateral chutar no canto direito de Tiago Cardoso, que até então estava sendo decisivo a favor do Santa, mas não teve chances nesta bola: 2 a 0 e festa da torcida local, que respirou aliviada (assista ao vídeo acima).

Aliviada? Por poucos segundos, porque o Santa Cruz resolveu partir para cima do São Paulo com tudo. Zé Teodoro colocou o atacante Mário Lúcio e mandou o time todo tentar furar o bloqueio paulista. A torcida suspendia o ar cada vez que o time pernambucano chegava ao ataque. Mas Renatinho, em uma falta duríssima em cima de Ilsinho, ganhou também o vermelho, aos 38, e deixou a equipe com apenas nove em campo.

Lucas voltou a aparecer aos 40, em mais uma tentativa individual, e passou por Everton Sena, mas não conseguiu passar pelo goleiro. A dupla encerrou o jogo com uma cena feia. Os dois se desentenderam e levaram vermelho também. Lucas se irritou demais e teve que ser contido pelos companheiros. Até Carpegiani foi no campo buscar o meia, que saiu com os olhos marejados e bastante chateado. A vaga ficou na mão do São Paulo, mas a violência imperou para os dois lados (assista ao vídeo da confusão entre Lucas e Everton Sena).

 

SÃO PAULO 2 X 0 SANTA CRUZ
Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva (Willlian José), Miranda e Juan; Casemiro (Ilsinho), Jean, Carlinhos Paraíba e Lucas; Dagoberto e Fernandinho. Tiago Cardoso; Cleber Goiano, André Oliveira, Tiago Mathias e Renatinho; Wesley, Jeovânio (Mário Lúcio), Everton Sena e Natan (Marcus Vinicius); Landu (Thiago Pereira) e Gilberto
Técnico: Paulo César Carpegiani Técnico: Zé Teodoro
Gols: Rhodolfo, aos nove minutos do primeiro tempo; Ilsinho, aos 27 minutos do segundo tempo
Cartões amarelos: Casemiro, Rhodolfo, Dagoberto (São Paulo); André Oliveira, Landu, Gilberto, Natan, Everton Sena, Tiago Mathias, Jeovânio, Mário Lúcio (Santa Cruz). Vermelho: André Oliveira, Renatinho, Everton Sena e Lucas
Público: 21.056 pagantes. Renda: R$ 529.051,00.
Local: Arena Barueri. Data: 06/04/2011. Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (Fifa/RJ). Auxiliares: Márcia Lopes Caetano (Fifa/RO) e Wagner de Almeida Santos (RJ)

Deixe um comentário

Nenhum comentário ainda.

Comments RSS TrackBack Identifier URI

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s