Com 50º gol de Dagoberto, São Paulo bate o Goiás e põe um pé nas quartas

Atacante marcou o único gol da vitória por 1 a 0, no Serra Dourada. Na quarta que vem, dia em que Luis Fabiano vai reestrear, time joga pelo empate

 

O São Paulo está a um empate das quartas de final da Copa do Brasil. Jogando com muita autoridade e dominando boa parte da partida, o Tricolor venceu o Goiás por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no estádio Serra Dourada, em Goiânia. Como já tem virado rotina, o grande destaque foi Dagoberto que, na semana em que completou quatro anos de clube, acertou um belo gol de pé direito e chegou ao seu 50º gol pelo time do Morumbi, desde que foi contratado do Atlético-PR em 2007.

Com a vitória, o time terá dois resultados a seu favor na partida da próxima quarta-feira, que será realizada no estádio do Morumbi e que marcará a reestreia do atacante Luis Fabiano pelo Tricolor. Para o Goiás, vale uma vitória por um gol de diferença, desde que marcando pelo menos dois tentos ou repetir o placar do primeiro jogo, o que levaria a decisão para os pênaltis. Vale lembrar que, quem passar desse confronto, enfrentará o Avaí na próxima fase. Nesta quarta-feira, o time comandado pelo técnico Silas empatou com o Botafogo (RJ) e se classificou.

Dois jogos no primeiro tempo

O primeiro tempo da partida entre Goiás e São Paulo pode ser dividida em duas partes. A primeira, que teve a exata duração de 22 minutos, mostrou dois times ofensivos, jogando em alta velocidade e buscando o gol a todo instante. Tanto esmeraldinos quanto tricolores entraram em campo no esquema 3-5-2. Só que no Goiás havia uma dificuldade. Sem poder contar com o lateral-esquerdo Diogo, que não pode atuar por pertencer ao time do Morumbi, o técnico Artur Neto não quis apostar suas fichas no garoto João Carlos, de 17 anos. Ele escalou o volante Amaral no meio-campo e determinou um revezamento na posição. Ora caía pelo setor o zagueiro Marcão, ora o volante Carlos Alberto. Do lado são-paulino, Carpegiani mandou a campo o time esperado, com Ilsinho e Marlos, nas vagas de Lucas, suspenso, e Fernandinho, machucado.

os momentos de emoção começaram cedo no Serra Dourada. O primeiro ataque de perigo foi do Goiás, aos sete, com Marcelo Costa, que desceu pela direita e cruzou na medida para Carlos Alberto, que cabeceou à esquerda de Ceni. O São Paulo respondeu com dois lances em seguida. Aos nove, Casemiro chutou à direita de Harlei. Dois minutos depois, Marlos recebeu de Jean, passou por dois e bateu de pé esquerdo, obrigando o goleiro adversário a fazer boa defesa.

O Goiás chegou com perigo novamente aos 13, em cobrança de falta de Marcelo Costa, que desviou na barreira e quase enganou Rogério Ceni. Aos 15, o camisa 1 do Tricolor teve uma chance de bola parada na entrada da área, pelo lado esquerdo, mas bola saiu à esquerda de Harlei. O time da casa tinha voluntariedade, mas deixava claros espaços para o São Paulo que não soube aproveitar. O time mostrava dificuldade em atuar pelas laterais. Na direita, Jean não aproveitava a falta de um especialista no time adversário pelo lado esquerdo. Do outro, Juan, apesar dos seguidos gritos de Carpegani, não fazia a jogada de ultrapassagem.

Goiás com um homem a menos

A história do jogo começou a mudar aos 22, quando o atacante Felipe Amorim, que havia levado cartão amarelo três minutos antes, fez falta em Carlinhos Paraíba no meio-campo e foi acertadamente expulso. O que deveria ser o prenúncio de um jogo ainda mais emocionante causou efeito totalmente contrário.

Isso porque, sem muita alternativa, o Goiás abdicou do ataque e passou a se preocupar com a marcação. E o São Paulo, mesmo com a enorme barreira adversária, seguiu tentando jogar pelo meio. O jogo, com isso, caiu de produção. Tanto que uma nova chance só surgiu aos 30, quando Jean aproveitou falha de Carlos Alberto e bateu cruzado, pelo lado direito, com muito perigo.

O São Paulo passou a ter muita posse de bola, mas não sabia o que fazer com ela. Tanto que o zagueiro Rhodolfo resolveu subir ao ataque aos 38 e, em chute de fora da área, exigiu bela defesa de Harlei. Antes do intervalo, Dagoberto perdeu grande chance, após belo lançamento de Carlinhos Paraíba.

Dagoberto marca e São Paulo passeia no segundo tempo

Irritado com a falta de objetividade de sua equipe em alguns momentos, Carpegiani mexeu no intervalo, sacando o volante Casemiro e colocando Henrique para funcionar como referência ofensiva. E o Tricolor não precisou mais do que dois minutos para abrir o marcador. Após falha do meio goiano, Ilsinho tocou para Dagoberto, que arrancou pelo meio e bateu cruzado, no canto direito de Harlei. Festa para o camisa 25, que marcou o seu 50º gol pelo Tricolor.

Com a vantagem, a partida praticamente se definiu. Isso porque o Goiás não tinha a menor força ofensiva e estava mais preocupado em não tomar o segundo gol. Que só não saiu em duas oportunidades porque Harlei fez grandes defesas em chutes de Henrique, Ilsinho e Rhodolfo. Aos 22, Carpegiani sacou o apagado Marlos para colocar Rivaldo. No Goiás, Artur Neto tentou dar novo gás ao seu ataque, sacando Hugo e colocando Guto.

O panorama não mudou de figura. É bem verdade que o Tricolor diminuiu o seu ritmo, já pensando no decisivo duelo das quartas de final do Campeonato Paulista, no próximo domingo, contra a Portuguesa. O time, no entanto, teve mais uma chance de ouro para ampliar sua vantagem aos 33, quando Ilsinho recebeu passe açucarado de Henrique, invadiu a área e, ao tentar driblar Harlei, foi desarmado com os pés pelo goleiro esmeraldino.Já o Goiás teve uma oportunidade aos 42, quando Guto foi ao fundo e cruzou para a área. Rogério Ceni fez a defesa antes que Robert completasse para o gol.

GOIÁS 0 X 1 SÃO PAULO
Harlei; Ernando, Rafael Tolói (Valmir Lucas) e Marcão; Oziel (Robert), Carlos Alberto, Zé Antônio, Marcelo Costa e Amaral; Felipe Amorim e Hugo (Guto). Rogério Ceni; Rhodolfo, Alex Silva, Miranda e Juan; Casemiro (Henrique), Jean, Carlinhos Paraíba e Ilsinho; Dagoberto e Marlos (Rivaldo).
Técnico: Artur Neto. Técnico: Paulo César Carpegiani.
Gol: Dagoberto, aos 2min do segundo tempo
Cartões amarelos: Rafael Tolói, Felipe Amorim (Goiás); Marlos e Juan (São Paulo)
Público: 28.526 pagantes. Renda: R$ 815.610,00
Local: Serra Dourada, em Goiânia. Data: 20/4/2011. Árbitro: Marcos André Penha dos Santos (ES). Auxiliares: Fabiano da Silva Ramires e José Maciel Linhares.

Lucas será julgado na próxima terça e pode pegar até 12 partidas de gancho

Meia foi expulso no segundo jogo contra o Santa Cruz, realizado em Barueri

 

O São Paulo corre o risco de ficar sem a sua principal joia na partida de volta contra o Goiás, marcada para o dia 27, no estádio do Morumbi. O meia Lucas, que foi expulso no segundo duelo contra o Santa Cruz, realizado no dia 6, na Arena Barueri, será julgado na próxima terça-feira no Supremo Tribunal de Justiça Desportiva da CBF. Denunciado no artigo 254-A (praticar agressão física), ele pode pegar até 12 jogos de suspensão. A pena mínima em caso de punição é de quatro partidas.

Lucas recebeu o cartão vermelho do juiz Gutemberg de Paula Fonseca no final da partida contra o time pernambucano após se desentender com o volante rival Everton Sena. Na súmula, o árbitro colocou que o camisa 7 do Tricolor deu uma cotovelada no adversário e que ainda tentou ir em direção para reclamar e precisou ser contido pelos companheiros. O departamento jurídico do São Paulo ainda vai decidir se o garoto estará presente no julgamento ou não.

Carpegiani prega cautela sobre a estreia de Fabuloso

Comandante rechaça chance do marketing tomar decisões sobre a estreia do novo camisa 9

A ansiedade dos são-paulinos para ver Luis Fabiano estreando com a camisa tricolor é grande. Apesar disso, o técnico Paulo César Carpegiani prefere manter uma certa cautela para escalar o atacante. Para o treinador o marketing não terá participação na decisão.

A grande preocupação do comandante é de Fabuloso voltar a sentir uma lesão e ficar mais tempo fora.

– Gostaria de contar com o Luis Fabiano agora. Mas depende do departamento físico e médico. Essa expectativa diminuiu bastante, porque não adianta você forçar e ele sentir novamente. Tem que estar bem preparado. Eu acho difícil que ele jogue no dia 20 – disse, se referindo ao jogo de ida da Copa do Brasil, contra o Goiás, no Serra Dourada.

 Em relação ao marketing do clube, que vem usando muito o jogador em ações comerciais, Carpa diz que não acredita que o departamento possa tomar alguma decisão neste sentido.

– Tem que prevalecer o dentro do campo, a capacidade técnica. O que senti do marketing foi uma coerência muito grande. O São Paulo tem que estar em primeiro lugar. Acho que o marketing jamais se oporia para colocar o Luis Fabiano ou qualquer outro – afirmou.

A expectativa é que Luis Fabiano esteja apto para retornar aos gramados no próximo dia 27, quando o São Paulo joga a partida de volta contra o Goiás dentro de casa.

Diego Forlán pode realizar sonho do pai e vestir a camisa do São Paulo

Volante Casemiro poderia ser incluído na negociação. Pai do atacante, que defendeu o Tricolor na década de 70, disse que o negócio seria possível

Uma bomba atômica. Foi com esse termo que a diretoria do São Paulo classificou uma possível contratação para reforçar a equipe a partir do mês de agosto, quando a janela de transferências do Exterior será reaberta. Um nome que está na alça de mira dos dirigentes é o uruguaio Diego Forlán, de 31 anos, eleito o melhor jogador da última Copa do Mundo, na África do Sul, e que atualmente veste a camisa do Atlético de Madri (ESP).

Segundo notícia divulgada pelo comentarista do Sportv Luiz Ademar, as negociações entre as duas partes estão avançadas. O uruguaio vê com bons olhos uma transferência para o futebol brasileiro para ficar mais perto de sua família e para vestir a camisa do time onde seu pai fez história na década de 70. E o clube espanhol até topa negociar o jogador, desde que o Tricolor coloque um dos seus atletas da base na negociação. O alvo principal era Lucas, que, no entanto, é considerado inegociável pela equipe do Morumbi. Quem pode entrar na negociação é Casemiro.

Isso porque o volante tem cometido alguns deslizes internos. Assim como Alex Silva, o camisa 29 chegou atrasado a alguns treinos e foi advertido pelos dirigentes. Uma negociação por empréstimo, com o preço do passe fixado, pode ser uma alternativa.

Em entrevista à rádio Jovem Pan, o pai de Diego, Pablo Forlán, disse que seria maravilhoso ver o filho com a camisa tricolor.

– Seria bonito ver meu filho atuando em um estádio tão maravilhoso como o Morumbi. Ele e o Luis Fabiano formariam um ataque formidável. Conversei com o Diego hoje e ele não sabe de nada, mas acredito que uma negociação seria viável. Não é a primeira vez que se fala nessa possibilidade e sei que um dia isso irá acontecer. Ele tem mais dois anos de contrato com o Atlético, mas acho que um acordo poderia acontecer. Sem dúvida nenhuma, o Diego gostaria de jogar em um clube como o São Paulo – afirmou.

Pablo diz que um acerto salarial com o filho também não seria difícil.

– O futebol brasileiro hoje está forte, pagando muito bem, mais do que alguns times da Europa. Basta ver que o Luis Fabiano, que é um atacante completo e que teria muita lenha para queimar na Europa, resolveu voltar para o São Paulo. Dinheiro não seria problema até porque o clube sempre paga em dia – ressaltou.

Oficialmente, o vice-presidente de futebol do Tricolor, Carlos Augusto de Barros e Silva, nega qualquer tipo de negociação. O que não significa que ela não possa estar ocorrendo. Quando o clube do Morumbi fechou com Cleber Santana, em janeiro do ano passado, quem tratou da negociação foi o presidente Juvenal Juvêncio, que não avisou ninguém da diretoria.

Tricolor diz que pode trazer ‘bomba’ e Marlos brinca com o nome de Messi

Diretoria diz que trabalha para trazer mais um jogador fora de série na reabertura da janela de transferências para o Brasil, que ocorrerá em agosto

A chegada de Luis Fabiano não acabou com o apetite da diretoria do São Paulo. O mercado de transferências está fechado, mas o clube já trabalha para reforçar o elenco em agosto, quando a janela será reaberta. Em entrevista à rádio Bandeirantes, o diretor de futebol, João Paulo de Jesus Lopes, afirmou que o Tricolor pode anunciar um nome que não é brasileiro e que, se for concretizado, levará mais gente ao Morumbi na data de sua apresentação do que o ocorrido com o Fabuloso, que vestiu a camisa 9 perante 45 mil torcedores.

– Sempre trabalhamos em um sigilo absoluto até porque a concorrência é muito forte. Temos três ou quatro nomes e um deles é uma bomba atômica. É um nome bastante diferenciado. Nada nos garante que essa contratação vai se concretizar. Agora, se ocorrer, terá mais gente na apresentação do que teve na do Luis Fabiano – afirmou o dirigente.

A revelação feita pela diretoria já causou brincadeiras no elenco.

– É uma novidade para mim esse assunto, mas quem sabe ele não contrata o Messi? – brincou Marlos, que concedeu entrevista coletiva nesta terça-feira. O camisa 11, curiosamente é chamado de Lionel por torcedores que possuem blogs na internet, exatamente por ser um jogador bastante habilidoso.

Nomes já começam a surgir nos bastidores. Diego Lugano é um sonho considerado impossível nesse momento, até por ter contrato em vigência com o Fenerbahçe até 2013. Diego Forlan, atacante uruguaio que atua no Atlético de Madri, é um nome que agrada bastante aos dirigentes. Além de ser um grande jogador, tanto que foi eleito o melhor jogador da última Copa do Mundo, o gringo é filho de Pablo Forlan, defensor que fez história com a camisa tricolor na década de 70. E o pai nunca escondeu de ninguém que gostaria de ver seu herdeiro vestindo a camisa tricolor.



  • PROMOÇÃO

  • Produtos do SP

  • CLIQUE NOS CANAIS E VEJA TV AO VIVO






  • USUÁRIOS ONLINE

    • 1.403.260 acessos
  • Blogs & Sites parceiros