Muricy vai comandar coletivo à tarde para definir time que enfrenta o Palmeiras

Treinador não sabe se vai utilizar André Dias, Jean, Dagoberto e Borges no clássico que acontecerá domingo, no Palestra Itália

Ampliar Foto Agência/Vip.com Agência/Vip.com

Treinador ainda não se decidiu se usará força máxima no clássico

O técnico do São Paulo , Muricy Ramalho, resolveu adotar o mistério total para o clássico do próximo domingo, contra o Palmeiras , que será realizado no Palestra Itália. Na tarde desta sexta-feira, ele comandará um coletivo no CT da Barra Funda mas, ao contrário do que normalmente faz, ele não permitirá a entrada da imprensa nem no estacionamento. O treino começará às 15h30 e os jornalistas só terão acesso uma hora depois.

Muricy não sabe como escalar ao time. Ele tem algumas ausências confirmadas, casos do goleiro Bosco e do zagueiro Renato Silva. E várias dúvidas. O zagueiro André Dias, o volante Jean e o atacante Dagoberto foram liberados pelo departamento médico e têm condições de jogo para o final da semana. Mas o treinador não quer correr riscos desnecessários, principalmente porque na quarta-feira o time enfrentará o Cruzeiro , no jogo de ida das quartas de final da Taça Libertadores da América . A dúvida é poupar ou não os jogadores.

Em situação parecida está o atacante Borges. O camisa 17 sofreu uma pancada na cabeça no empate por 1 a 1 com o Atlético-PR, no último domingo e ainda não fez nenhum teste com bola. Na última quinta, ele apenas correu em volta do gramado do CT. Nesta sexta, está prevista a sua participação no coletivo que acontecerá na parte da tarde.

No gol, está confirmada a escalação de Denis, que deverá atuar também contra o Cruzeiro. Na defesa, a tendência é que Richarlyson seja novamente escalado na zaga ao lado de Miranda. E no ataque, se Borges e Dagoberto forem preservados, André Lima formará dupla com Washington.

André Dias se machuca em jogo-treino

Zagueiro sofreu uma lesão muscular na perna esquerda

Zagueiro tinha acabado de se recuperar de lesão (Foto: Tom Dib)

Zagueiro tinha acabado de se recuperar de lesão (Foto: Tom Dib)

LANCEPRESS!

O zagueiro André Dias deixou o treino do São Paulo mais cedo nesta quarta-feira à tarde, no Morumbi. O jogador sentiu dores musculares na perna esquerda durante o jogo-treino contra o Pão de Açúcar. Aislan entrou em seu lugar.

O São Paulo começou a atividade com Bosco, Renato Silva, André Dias e Miranda; Arouca, Jean, Hernanes e Jorge Wagner; Dagoberto, Borges e Washington.

Em instantes, mais detalhes sobre o problema de André Dias.

Maduro, Jean diz que época de revelação acabou e prevê briga boa entre volantes

Jogador lembra que chegar a ter uma grande oportunidade foi o mais difícil

Jean brilhou pelo  São Paulo atuando pelo campeão brasileiro ao lado de Hernanes. Agora, começa mais uma temporada com a exigência de provar de novo que merece ser titular. E sabe que a concorrência é grande. Chegaram Eduardo Costa e Arouca para a disputa de uma vaga no meio. Não será uma briga fácil, garantiu o volante.

– Todo mundo tem que estar preparado. Canso de falar que tem que matar um leão por dia. Ano passado foi assim e esse ano a disputa é maior na posição. Não vai ser fácil nem para mim e nem para eles. Mas é uma briga sadia.

Uma das revelações do Brasileiro, Jean agora só pensa em crescer. A fase de ser novidade acabou, disse ele. Todos já conhecem o volante do São Paulo. É a hora de mostrar ainda mais qualidade. O jogador lembra que para ter a grande chance precisou trabalhar muito, e que o pior já passou.

– Temos que buscar mudanças mentais e profissionais, ninguém pode estacionar. Não quero ser visto sempre como revelação. É preciso manter a humildade, mas aumentar de produção. Quando tive a minha primeira chance foi muito mais difícil (em 2005, e foi pouco aproveitado), depois que ganhei a oportunidade com o Muricy foi só crescer, mas o mais complicado foi ter essa vaga, tive que ralar muito por ela – recordou o volante, que foi titular pela primeira vez contra a Portuguesa, no primeiro turno do Brasileiro de 2008.

O reconhecimento no meio-campo do São Paulo faz com que Jean revele suas metas. A primeira é se estabelecer historicamente no clube. Depois, pensa em seleção brasileira e Europa, o caminho natural dos destaques do cenário brasileiro.

– Primeiro eu quero me firmar no São Paulo, que é o clube que me deu todas as oportunidades profissionais. E depois, claro, penso em seleção e Europa, sonhos de qualquer atleta. Antes eram coisas mais distantes, agora se aproximaram um pouco, e depois do campeonato do ano passado podem ser uma realidade. Tenho que trabalhar mais consciente e com os pés no chão para que isso chegue um dia – completou.

Jean pede para viajar com elenco do São Paulo

Suspenso para ‘final’, volante mostra companheirismo e quer ajudar

O volante Jean está suspenso para o último jogo do São Paulo no ano, contra o Goiás, domingo, no Bezerrão. Porém, sabendo do momento decisivo do Brasileirão, o camisa 38 não se considera de férias e pediu para viajar com a delegação a Gama, local do jogo.

– É complicado ficar fora, fiquei triste, mas é assim mesmo. Agora vou torcer pelos companheiros. Confio muito no time, nos jogadores, no Muricy. Acredito muito que vai dar tudo certo e já pedi para viajar com a delegação porque quero estar junto – explicou Jean, que garante estar trabalhando tanto quanto os que vão jogar:

– Não é porque não vou jogar que me sinto em férias. Estou com o time para o que der e vier. Procuro ajudar no dia a dia, nos treinos, trabalhando com a mesma seriedade. Minha concentração para o jogo é a mesma que a do time. Estou junto com eles.

Jean foi um dos responsáveis diretos pela recuperação são-paulina no segundo turno da competição. Nessa metade do campeonato, o volante havia ficado fora de apenas um jogo, contra o Náutico, também por suspensão. Fora da decisão contra o Goiás, Jean vive a expectativa de seu primeiro título com a camisa tricolor.

– Claro que de fora a gente sofre bem mais, pois a ajuda é indireta. Mas minha confiança é muito grande. O time tem que entrar com uma pegada muito forte, até mais do que o normal. Pois o próximo jogo será o último. E o último é a nossa decisão – explicou.

Jean se considera a revelação do Brasileiro

Aposta de Muricy Ramalho para o futuro, atleta, de apenas 22 anos, entrou no time para não sair mais

No dia 20 de julho, o São Paulo bateu o Botafogo no Morumbi por 2 a 1. No último minuto dejogo, o técnico Muricy Ramalho olhou para o banco de reservas e chamou um garoto vindo da base para atuar por um minuto. Era uma aposta do técnico para o futuro, um volante marcador e com boa saída de bola.

Menos de quatro meses depois, Jean virou titular absoluto e é nome certo no São Paulo para a partida contra o Figueirense neste domingo, no Morumbi. A ótima fase do camisa 38, de apenas 22 anos o põe como um dos favoritos a ser eleito a revelação do campeonato. E o jogador, com a mesma personalidade que exibe em campo, não esconde que concorda com a indicação.

– Se eu não acreditar em mim, quem vai acreditar? Apesar do bom momento, tenho que provar meu valor em campo e fazer meu papel. Primeiro quero ajudar a equipe e depois penso nos prêmios individuais – comentou o jogador, cada vez mais à vontade com a imprensa.

Jean soube aproveitar o bom momento e deixou o experiente Richarlyson, eleito o melhor volante do Brasileiro no ano passado, no banco de reservas. O jogador sonha mais alto e espera, atuando ao lado do grande amigo Hernanes, formar uma dupla de volantes mais forte que Mineiro e Josué, que fizeram história no Sampa.

– Sou um jogador mais de marcação, embora também saia com a bola. Já o Hernanes tem uma saída boa e pode trabalhar mais facilmente como meia. Acho que podemos substitui-los e fazer história – afirmou.

Com a volta de Hugo, Hernanes será recuado e voltará a formar o setor de marcação com Jean. O jogador acredita que os catarinenses, atualmente na vice-lanterna, virão pensando em vitória, mas diz estar preparado para tudo.

– Olhando pela lógica, acho que eles vão ter que sair um pouco mais para o jogo, mas temos que estar preparados também para uma retranca, porque nunca sabemos se a lógica vai acontecer – analisou.